sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Sou a maior fã da sua vida, a carta II.

(...) Não sei bem, o motivo da carta... Ela não mudará nada... Ela não vai retirar a sua dor. Mas, saiba, e entenda um dia... Que eu nunca quis te fazer sofrer assim... E o meu pior erro, foi fazer você gostar de mim, me amar... E a melhor coisa que eu fiz na minha vida, foi poder te amar... Foi poder te acariciar, te confortar nos meus braços. Me perdoe pelos egoismos, que partiram de mim... Eu parei sua vida, pela minha. Mas agora continue a sua vida, não pare por ninguém... Veja teus conceitos, e siga á eles. Você é forte ao bastante pra viver, independente de quem for meu amor... Agora vou fechar os olhos, pra você poder ser quem você é. Coloquei teus pés no chão... Tentei ensina-la a andar... Infelizmente, lhe dei um choque. E agora é a sua vez... Quando precisar... converse comigo. Eu não sei, mas te ouvirei. Eu te amo, minha. - Caio Ventura - [Rise - Eddie Vedder] "

Sou a maior fã da sua vida, a carta.

Sai da sala que ele estava, sem saber que aquela era a ultima vez que eu o veria respirar... com dificuldade, porém vivo. Que eu veria aquele sorriso perfeito, contradolor, que tomava conta do meu ser. Fui para minha casa, e dormi. Na verdade, não consegui dormir direito. Ouvi o telefone tocar, mas eu estava meio sonolenta, prefiri não atender. Eram 5 e meia da manhã, quando tocou. Depois fui ver na bina, era o hospital que havia ligado. Eu voltei a dormir mais. E na hora que acordei, eu li a carta.
" Eu poderia fechar os olhos, e simplismente descançar. Esquecer de todos os meus problemas... Mas prefiri lutar por alguém que me deu a vida novamente. Por pouco tempo, mas que foi mais forte que eu. Que além de tudo, esteve comigo. Impaciencia minha, conseguir dizer tudo... É impossível, dizer o que se passou pela minha mente. Que desde o primeiro dia que você me conheceu, creio que você não entendia. Desde o inicio tive medo de me envolver contigo, porque reconheci seu olhar... Seu sorriso, que parecia ter vindo de outras vidas. Você foi e sera eternamente, a minha menina. Eu nunca desviarei meus olhos de você, mesmo lá em cima. Ou onde quer que eu esteja, que na verdade eu tenho medo do que pode estar pela frente... Eu lhe digo, continue sua vida, seja feliz por mim. Não vou dizer que não dói, saber que estou te deixando. Estou levando meu corpo tão jovem, a outro lugar. O lugar que você não está... O meu corpo, sem o seu.... O meu ser sem o teu, que sofre tanto sua ausência. Eu quero te amar... Eu quero ser somente seu. Quando tú cair, quero te segurar. Lembre-se das vezes que ergui teu rosto, e disse " Vai ficar tudo bem" . E agora recorde das vezes que você me disse as mesmas palavras. Vá enfrente, lute mais uma vez, e cumpra. Porque vai sim... Ficar tudo bem. Poderia escrever trechos de músicas... Poderia procurar no dicionário palavras com os significados mais fortes, pra poder escrever aqui... Ou eu poderia tentar te decifrar, mas me parece tão impossível... Aonde quer que eu esteja, eu estarei por você. Magneticamente, meu corpo se foi... Nesta manhã. Eu não sei como você ficará, não pedirei pra ficar bem, porque eu sentia a sua sintonia, a nossa sintonia... E percebi o quanto forte ela era... e é. Então será impossível, você ficar tão bem assim... Mas eu tenho fé em você, tenho fé na sua alma. Eu sentirei dor, estregulando o meu coração... No céu, no inferno... Na terra, aonde quer que eu vá... Tu és minha mas, são dois caminhos... Siga o teu, estarei seguindo o meu, com os pensamentos em ti. (..)

Sou a maior fã da sua vida II.

- Eu preciso ir embora. Estou cheio de dores, me permite te deixar?
O poder de me fazer sorrir, de me fazer pular de alegria, de me deixar tranquila... Era o poder de me fazer chorar, de me fazer cair no chão, e de me deixar desesperada.
- O que esta pensando, Caio?
- Que estou morrendo.
- Por que tá dizendo isso?
- Eu estou totalmente fraco. Mas não quero falar isso... Quero falar algumas coisas, sobre você, sobre mim, sobre nós, sobre a vida.
- " A perfeita menina, dos meus sonhos... Da minha alegria, do jeito de me deixar feliz, a única que pode me afetar... Os gestos iguais a de uma deusa. " - Ele disse - Destinguir você, seria egoísmo com a sua belesa interior e exterior. Eu aprendi a viver demais com você Ana Clara, aprendi a ser feliz, mesmo nos momentos mais tristes... A vida pode me tirar de perto de você - Ele começou a tossir - Meu coração pode fraquejar agora... Ou daqui um minuto, mas dentro dele, estará você. E eu queria poder dizer que... Ele sempre baterá por você.
- Eu te amo, eu te amo... - Abracei ele. - O que está acontecendo?
- Pega aquela mochila ali... E dentro do bolsinho menor, tem uma carta pra você. Eu sabia da data da minha morte... Eu sabia sim, mas nao queria lhe contar. Tentei prolongar ao meu máximo, tentei sorrir por você. Mas chegou minha hora... - Ele fez carinho no meu rosto. - Leia depois essa carta. - Ele sorriu.

Sou a maior fã da sua vida I.

- Eu só queria achar um doador... Só isso. - Ela olhava vazio pro nada, e isso me estrangulava.
- O seu sangue não é compatível? Tem certeza?
- Não é mesmo Aninha... Já tive que doar antes pra ele, e deu tudo errado por não ser o mesmo tipo sanguineo.
- Eu sinto muito. Muito mesmo... - Fiquei quieta.
Os dias foram se passando, sem nenhuma novidade, nada fora do comum. Eu passava as noites no hospital com o Caio, ele não dormia bem há semanas. E por isso, eu ia pra casa durante o dia, que era o horário que eu, e ele dormiamos. A rotina foi igual em duas semanas. Dia 14 de Julho chegou... Achamos uma doadora, com o mesmo tipo sanguineo, era uma bençao pra mim, pra Dominique, e principalmente pro Caio. Ele parecia estar melhor depois de ter recebido um litro e meio de sangue. Muito, eu sei.
Preciso partir logo pra parte dolorosa... Porque aprendi que nada é pra sempre, aprendi que a felicidade é um sentimento bom, mas momentaneo. Tudo o que a vida te dá, ela arranca do jeito mais doloroso... Da forma que mais te põe no chão. O seu orgulho acaba... Seus pés caminham, mas sem rumo algum... Seus olhos começam a enchergar o mundo de outra forma... Comecei a enchergar com raiva, com desgosto...
- Oi meu amor. - Eu cheguei, dez horas da noite no hospital.
- Oi linda.
- Como voce tá? - Segurei as mãos dele
- Eu to indo embora...
- Como assim?