sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Sou a maior fã da sua vida I.

- Eu só queria achar um doador... Só isso. - Ela olhava vazio pro nada, e isso me estrangulava.
- O seu sangue não é compatível? Tem certeza?
- Não é mesmo Aninha... Já tive que doar antes pra ele, e deu tudo errado por não ser o mesmo tipo sanguineo.
- Eu sinto muito. Muito mesmo... - Fiquei quieta.
Os dias foram se passando, sem nenhuma novidade, nada fora do comum. Eu passava as noites no hospital com o Caio, ele não dormia bem há semanas. E por isso, eu ia pra casa durante o dia, que era o horário que eu, e ele dormiamos. A rotina foi igual em duas semanas. Dia 14 de Julho chegou... Achamos uma doadora, com o mesmo tipo sanguineo, era uma bençao pra mim, pra Dominique, e principalmente pro Caio. Ele parecia estar melhor depois de ter recebido um litro e meio de sangue. Muito, eu sei.
Preciso partir logo pra parte dolorosa... Porque aprendi que nada é pra sempre, aprendi que a felicidade é um sentimento bom, mas momentaneo. Tudo o que a vida te dá, ela arranca do jeito mais doloroso... Da forma que mais te põe no chão. O seu orgulho acaba... Seus pés caminham, mas sem rumo algum... Seus olhos começam a enchergar o mundo de outra forma... Comecei a enchergar com raiva, com desgosto...
- Oi meu amor. - Eu cheguei, dez horas da noite no hospital.
- Oi linda.
- Como voce tá? - Segurei as mãos dele
- Eu to indo embora...
- Como assim?

Nenhum comentário:

Postar um comentário