quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pensei que você também era um anjo, o meu anjo.


Voo pra um lugar acima dos meus sonhos, onde nada pode me ferir, fujo com medo dele, eu tenho medo de chorar outra vez, de me ferir como eu já me feri, foi tão forte que quase perdi o foco. E eu peço por favor não me segure aqui, onde os lugares ficam preto e branco, eu grito pela liberdade, eu nasci pra ser livre, não nasci pra ser de alguém, só lhe peço que me solte e me deixe voar como mereço. Por muitos momentos pensei que você também era um anjo, o meu anjo. Onde eu gostava de andar pelas ruas e perguntava coisas estúpidas, eu amava aquilo, eu me envergonho de não querer mais tudo o que você também quer. Mas eu não posso estar aqui.
Minhas assas estão fechadas a muito tempo, a noite elas se chaqualham com o puro desejo de sentir outra vez o vento sobre delas, e eu só olho pra noite, um olhar triste... Eu quero ser o que está destinado pra eu ser. Eu sou um anjo se lembra? Então por que ainda está me segurando?

Nenhum comentário:

Postar um comentário